domingo, 10 de fevereiro de 2008

MIRAGEM OU REALIDADE?



Dizem que será o fim do Porto de Lisboa e que uma ponte entre o Barreiro e Chelas, como o Governo pretende fazer para a passagem da linha do TGV, será um erro enorme.
Os motivos serão: a destruição da capacidade actual de navegação marítima do Porto de Lisboa. Os grandes navios que desejem fundear em Lisboa vão deixar de ter acesso à zona mais profunda do mar da Palha, no estuário do Tejo. Esta Zona já recebeu a maior esquadra americana, com cerca de doze grandes navios.
Com a ligação Barreiro-Chelas, prevista pelo Governo para ser a Terceira Travessia do Tejo, todos os navios deixarão de ter segurança nas suas manobras.
Será uma questão de segurança que vai pôr em risco o sonho dos Barreirenses.
Mas além de os grandes navios ficarem impedidos de entrar em Lisboa, também o novo cais para os cruzeiros, planeado pela Administração do Porto de Lisboa, em Santa Apolónia, vai ficar em risco.
As manobras de atracação dos navios ao cais a norte de Santa Apolónia tornar-se-á impossível e vai impedir as atracações e manobras no futuro cais para cruzeiros ou paquetes durante a maré-cheia.
Outro problema será o vão de passagem à navegação da ponte que terá de ter no mínimo 700 ou 800 metros porque uma distância mais pequena vai tornar a travessia perigosa, sobretudo no período de fortes vazantes. O tal vão, é o espaço livre entre os pilares que permitirá aos barcos fazerem a travessia. A Ponte 25 de Abril tem cerca de mil metros de vão.
Como sempre, nunca aproveitamos as infra-estruturas que temos.
Por que motivo não se opta antes por um túnel semelhante ao do Canal da Mancha, que liga a França a Inglaterra?
Os túneis são mais baratos, mais fáceis de conservar, mais resistentes e não se vêem.
Pessoalmente, acho muito mais divertido atravessar um túnel que uma ponte.
Já imaginaram a quantidade de Tugas Barreirenses a apitar durante o trajecto, à boa maneira portuguesa, só para ouvirem o “eco”?
Seria uma festa e, aquilo que o Povo precisa, é de festa.
Fala-se agora em Montijo-Beato ou vice-versa e o especialista que fez o estudo da ligação através de uma ponte, entre Montijo e Beato, é o mesmo que realizou os estudos iniciais da ligação Barreiro-Chelas para o Ministério das Obras Públicas.
No estudo da CIP, a travessia Beato-Montijo seria quarenta por cento mais barata.
Basearam-se em estudos de especialistas ingleses. Segundo estes, a ligação por túnel será à partida mais barata que a ponte. Estes técnicos britânicos foram os mesmos que criaram e construíram o Túnel de Oresund, que liga a Suécia e a Dinamarca.
Pelo rumo que as coisas levam, já estou a imaginar o foguetório com o executivo da CMB a anunciar que vai solicitar a Joan Busquets que faça também alguns estudos de viabilidade, com vista à construção de um túnel que ligue a Recosta ao Terreiro do Paço, cujo orçamento será inteiramente suportado pelos lucros obtidos com a Cidade do Cinema.

Sem comentários: