sábado, 15 de março de 2008

O BANDO



O PS do Barreiro não é um partido, é um bando. E sem história.

Uma organização estrutura-se em grupos à volta de um desígnio e de grandes objectivos, comandada por um líder.

Um bando age em função de interesses individuais, não tem líder, mas sim um chefe, que muda conforme os interesses dos seus membros.

Uma organização possui uma cultura - é uma cultura - que enforma todos os membros que a constituem. O seu líder é o cimento dessa cultura, um exemplo a seguir.

Num bando não há cultura, há intriga, luta por um bolo que todos querem comer, guerra, ódios, vinganças, ajuste de contas. Por isso, constantemente, rolam cabeças, dos que se opõem ao chefe e, muitas vezes também, dos chefes. No bando, não há cabeças, há fulanos.

Uma organização contribui para a construção da história. Faz história. De um país, de uma região, de um local, de uma cidade.

Um bando nada inscreve. Cada fulano quer ser ele a própria história.

A história da organização é feita com e pela comunidade; a do bando é escrita para enaltecer o próprio fulano.

Sem comentários: