sábado, 1 de novembro de 2008

PARA TI, RUI



Sentimos muito a tua falta.

Não te perdoo, teres-nos deixado para sempre.

Acordo muitas vezes de noite e imagino-te, sentado no escritório, a ler aquele livro que não chegaste a acabar.

Não tiveste tempo.

Fazes-me falta, amigo.

Descansa em paz!

Hoje, vamos cantar para ti.

Sem comentários: