domingo, 19 de setembro de 2010

"A PACIÊNCIA DE PEPETELA" - Texto e foto retirados do Blog "27 de Maio Associação"



"Quando ontem ao fim da tarde, abri um mail proveniente de Angola que recebera de um amigo também sobrevivente, lendo de um fôlego o anexo que este me enviara, por momentos pensei que finalmente tinha à minha frente um testemunho com a grandeza de um Prémio Camões. O título não parecia enganar: “Pepetela farto do silêncio do MPLA”.

Depois de lê-lo e relê-lo, acabei por me comover finalmente, ao imaginar o sofrimento de Pepetela com todo esse silêncio de 30 anos do MPLA. Afinal, ele apenas ajudara a “seleccionar depoimentos elucidativos” para serem transmitidos pelos democráticos “órgãos de informação” controlados pelo MPLA em 1977.Como poderia então agora, revelar o mínimo arrependimento pela sua conduta na altura, quando aqueles depoimentos que ajudara a seleccionar, foram todos espontâneos e obtidos sem qualquer tortura ou intimidação moral ou física. Não, ele com a sua experiência de velho guerrilheiro no MPLA de nada suspeitara. Afinal, do que acontecia nos gabinetes ao lado de onde vinham as gravações, nem sequer lhe chegara um som longínquo. Não tinha culpa de o porem a trabalhar no Ministério da Defesa onde estavam todos aqueles senhores que nem conhecia.

As pessoas que de “viva voz” falaram perante ele e dos seus colegas de comissão, não aparentavam o mínimo sinal de maus-tratos e muito menos de torturas prévias, ou de qualquer outra espécie de coacção sofrida. Nada naquele cenário tinha sido montado ao “bom estilo maoista da revolução cultural chinesa”, que lhe pudesse ter despertado a menor das suspeitas. Seriam também, os integrantes da referida comissão a que Pepetela confessa agora ter pertencido (“mais de uma dezena de pessoas”), pessoas sensatas, honestas e que serviam desinteressadamente como ele o MPLA? Isso ficamos sem saber, mas certamente que sim, pois senão a dúvida ter-se-ia logo apoderado dele.

Pepetela, poderá então dormir tranquilo, já que afinal nada fez que o comprometesse com a repressão ao chamado ”Golpe de Estado de 1977 em Angola”, e portanto nada haverá que lhe possa tirar o sono ainda hoje.

Estranhei contudo que demorasse 30 anos a perder definitivamente a paciência e a confiança no MPLA. Não li ainda “Predadores”, o seu último livro, mas confesso que gostei de muitos dos que li, em que as suas histórias e personagens nos têm sido apresentadas, se calhar apenas na medida da sua falta de paciência em cada momento. Das histórias que li, deu também para perceber que ao serem baseadas em factos da vida do MPLA e de Angola, os que conhecem a terra e as elites Angolanas sabem que sem eles “Pepetela” não existiria. Pode ser que com paciência ainda vejamos no prelo o seu último livro “PEPETELA CONTA TUDO” .

José Fuso
Sobrevivente do 27 de Maio de 1977"

2 comentários:

Miguel disse...

Fascinante! Eu sou um enorme fã de Pepetela, e não fazia a menor ideia desta controvérsia. Tendo em conta a sátira desmedida com que analisa a história de Angola nos seus livros, nunca imaginei que pudesse ter tido um papel em semelhante coisa.

A-Verdadeira disse...

Infelizmente teve esse papel.
Mas a memória é curta.