terça-feira, 12 de julho de 2011

OS APERTOS DE MÃO


Detesto apertos de mão.

O chamado "bacalhau" já não tem o vigor nem o significado que tinha antigamente.

Hoje já se perdeu o costume de dar aqueles apertos de mão, fortes, firmes e decididos, sejam eles institucionais, circunstanciais ou ocasionais.

Há pessoas que nos estendem uma mão que mais parece um rabo de peixe mole, e esperam que lha apertemos.

Quando me calha um desses, corro de imediato para a primeira casa de banho que estiver disponível, para lavar e desinfectar muito bem as mãos, por forma a fazer desaparecer aquela desagradável sensação de que acabei de apertar uma pila mole.

Não consigo deixar de proceder dessa forma.

É superior às minhas forças.

Sem comentários: