sábado, 28 de abril de 2012

HÁ MUITOS ANOS ATRÁS....


Hoje faz muitos anos que te conheci.
Sou uma daquelas “gaijas”  que ainda vai dando  importância a certas e determinadas  coisas que a maior parte das pessoas apelida, nos tempos que correm,   de “paneleirices”.
Tenho na cabeça as datas mais importantes,  que dizem respeito a todos aqueles que, de alguma forma, foram desfilando pela minha vida.
Consigo traçar mentalmente todos os percursos de amores perdidos, de amigos a quem perdi o rasto, de pessoas que deixaram de fazer parte do meu círculo, ao longo dos anos.  
São, hoje,  como fantasmas.
Mas a vida foi seguindo o seu ritmo tornando-se numa melodia de que me considero a letra.
Cada partitura narra um momento da história, um sentimento, um vazio ou um preenchimento. As rimas vão-se formando espontaneamente: amor com dor, paixão com ilusão, beijo com desejo, amado com passado.
Porém, nesta vida, nem todos os finais são felizes e nem tudo é um conto de fadas. Depois do encanto e à segunda badalada da meia-noite, fica a  realidade .
Acho que no final da minha história vou olhar para trás e duvidar se amei todos os amores ou se simplesmente os senti.
Talvez nunca encontre as respostas, mas prefiro saber que dei o meu melhor. Que encontrei  limites e fui além.
Por  que será que aprendemos a gostar tão facilmente?
Sou uma mulher de Sentimentos.
Que pena que os Sentimentos se encontrem, hoje em dia, apenas nos dicionários.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O CÃO DO POLÍTICO


Reunidos num churrasco de jardim, para comemorar o 25 de Abril,  encontram-se um engenheiro, um contabilista, um químico, um informático e um político,  com os seus cães,  todos eles desejosos de mostrar as habilidades dos seus animais.
O engenheiro ordena ao seu cão:  "Scalimetre",   mostra as tuas habilidades! 
O cão agarrou num martelo, numas tábuas e construiu  um canil.
Todos os presentes concordaram que era inacreditável.
O contabilista disse que o seu cão podia fazer ainda melhor:  "Flux", mostra as tuas habilidades!
O cão correu para casa,  foi à cozinha, voltou com 24 biscoitos, divididos em 8 pilhas de 3 bolachas cada.
Todos os presentes concordaram que era muita habilidade. 
O químico, não querendo ficar atrás,  disse que o seu cão iria fazer muito  melhor: "Óxide", mostra-nos o que sabes fazer!
O "Óxide"  entrou em casa,  foi ao frigorifico, tirou leite, uma banana descascada, usou a batedeira e fez um batido.
Todos ficaram impressionados com as habilidades do bicho.
Contudo, o informático sabia que podia vencê-los a todos e disse:  "Megabyte", faz!
O "Megabyte"  foi direito ao carro, pegou no notebook, ligou-o, verificou se ele tinha o anti-vírus actualizado, melhorou o sistema operativo, mandou um e-mail e instalou um jogo. 
Todos concordaram que isto era muito difícil de ser superado.
Olharam com desconfiança para o político e perguntaram-lhe:
E o seu cachorro, o que sabe ele fazer?
O político chamou o cão e ordenou: "Deputado", mostra a todos as tuas habilidades!
O "Deputado"  levanta-se de repente, come as bolachas todas, bebe o batido, caga no tapete, destroi os arquivos do notebook, vira-se de costas para os outros quatro cães, ocupa o canil,  com um título falso,  e  alega imunidade parlamentar.

domingo, 22 de abril de 2012

domingo, 15 de abril de 2012

O CARTÃO DE POBRE


Ele já o requereu.

E você?

De que está à espera?

Depois não se queixe que as filas são intermináveis.

sábado, 14 de abril de 2012

APESAR DE TUDO, "HOME, SWEET HOME"



O velho ditado inglês é sem dúvida uma realidade.

Depois de umas curtas e bem passadas  férias  de Páscoa, em Cabo Verde, na Ilha da Boavista, eis-me de volta a este mundo virtual que nos transporta até onde quisermos chegar.

A foto é do Duarte Pimenta e ilustra bem o magnífico pôr-do-sol na Praia de Chaves, uma das melhores praias das dez ilhas de Cabo Verde.

Foram oito dias maravilhosos,  passados  no meio de gente sã, hospitaleira e extremamente carinhosa.

Também  havia  "Superbock" e tremoços. Só faltaram os caracois. Mas a cachupa, meu Deus, a cachupa...

Fez-me engordar uns quilitos. 

Não vou "postar"  nenhuma  foto porque não tenho autorização das pessoas que estiveram comigo. Seria uma indiscrição da minha parte,  se o fizesse. 

Mas,  apesar de ter passado uns dias inesquecíveis, nunca deixei de pensar em quem deixei por cá.

Por que será que sempre que regresso de férias e entro em casa, continuo a sentir que cheguei ao Paraíso?

segunda-feira, 2 de abril de 2012