segunda-feira, 17 de setembro de 2012

AQUELE QUE FOI O MEU COLÉGIO, DURANTE UM ANO

A foto ilustra bem o estado de degradação a que deixaram chegar o edifício do Colégio de Santa Catarina, onde passei bons momentos da minha infância, dos quais guardo muito boas recordações, apesar de só lá ter andado um ano lectivo.
Para a época era considerado um exemplo vanguardista de ensino, comparando com o que na altura se praticava em Portugal.
As nossas batas em azul-escuro, de corte elegante, com a gola em piquê branco, bordado, mais o cinto de cabedal castanho, faziam furor em qualquer lado onde aparecessemos.
Um edifício imponente, que se está a desmoronar aos poucos, sem que ninguém se importe com isso.
Faço daqui um apelo para que os antigos alunos não deixem que tal aconteça.

2 comentários:

Anónimo disse...

Ola Colega.
Eu também andei nesse colégio no ano de 1962. A colega deve ser muito mais nova que eu, porque o malandro do macaco ainda não existia no meu tempo. Foi fundado em 1950 e em 1975 foi mandado encerrar por ser um colégio "fascista" de meninas ricas, o que era mentira.
A antiga directora ainda está viva, e todos os anos fazemos um jantar de antigos alunos. Desde há 14 anos que o fazemos. Se estiver interessada em participar, quando chegar o dia, envio-lhe o convite para o seu mail do blog.

Cumprimentos.

Em tempo: É sempre bom reviver o passado, quando ele nos trás boas recordações.
O meu nome é Alice Lemos, da família Lemos que morava no final da Rua Cândido dos Reis. O meu Avô era o advogado Lemos. Não sei se o nome lhe diz algo.

A-Verdadeira disse...

Só andei lá um ano, mas acho que foi o melhor ano de toda a minha vida, com colegas, pessoal e professores excepcionais. O meu falecido pai era muito rigoroso na escolha dos estabelecimentos de ensino. Era apologista da excelência e da disciplina, o que não se vê hoje em lado nenhum.
Claro que me lembro da sua família. O seu Avô era um homem imponente nos seus bigodes brancos e "Farfalhudos" (desculpe) e vocês eram tantos irmãos, que não sei qual era a Alice. Lembro-me do casamento da sua irmã mais velha, lindíssima, nos seus cabelos loiros naturais. Das poucas coisas de que ainda me lembro, a Vossa casa era uma delas porque tinha um estilo de arquitectura muito característico, Arte Nova, que eu adoro.
Ficarei muito feliz se me mandar o convite para o "nosso" jantar. Faça-o para o mail do Blog.
Também me licenciei a 1ª vez em Coimbra, em Direito como o seu Avô e o meu falecido pai.
O meu marido é francês e arquitecto. Vai ficar encantado porque andava sempre a falar-lhe do colégio e da sua bela arquitectura. Ele quando era miúdo passava as férias de Verão na Figueira, mas nunca reparou no colégio.
Agora está a caír aos pedaços e é uma pena o Estado deixar que isso aconteça.
Essa de o terem fechado por ser "fascista", é de morte.

Depois há-de contar-me essa história, porque acho isso inacreditável.

Um beijo para si, Alice.
Se puder contactar-me para o e-mail do Blog, ficar-lhe-ia imensamente grata. Gostava de lhe perguntar sobre algumas pessoas a quem perdi o rasto. Uma colega que encontrei em Lisboa, não me soube dizer nada, pois saiu daí há mais de vinte anos e diz que perdeu as suas raízes aí.