terça-feira, 23 de dezembro de 2014

EM JEITO DE BALANÇO


Em jeito de balanço, em mais um ano que finda, há que fazer a avaliação de tudo aquilo com que contribuímos, ou não, para criar um mundo melhor à nossa volta.

Chegou a hora de avaliar atitudes, rever decisões tomadas, e ajuizar sobre o que nos trouxe algum saber.

Sempre, em toda a minha vida, ousei, tentei e fiz, e assim continuarei.

Nunca me arrependi de nada, nem guardo mágoas ou rancores, porque nas profundezas do meu ser, sei que esta vida é apenas uma passagem e não há nada que substitua a paz de espírito, a tranquilidade, e a sensação de dever cumprido.

Tive sempre plena consciência de ter feito tudo a pensar nos outros, muito mais que em mim própria, o que não releva, mas contribui para atenuar um pouco a inquietude da Alma.

Foi um ano de renovação, de remoção de entulho que me desgastava e estava a ocupar espaço dentro de mim, naquele lugar onde queria que existissem apenas sentimentos bons.

Foi um ano de iniciativas que eram realmente o que eu queria.

Deixei-me guiar pela intuição e fiquei mais atenta a todas as oportunidades que me levaram a tomar decisões antes impensáveis.

Foi um ano em que me tornei mais forte, mais consciente do meu valor, e do respeito que julgo merecer.

Parentes e Amigos partiram, e outros chegaram. Num caso ou no outro, todos desempenharam uma missão crucial na minha vida, e eu sei de antemão que ninguém passa por nós por acaso, porque não há coincidências.

Defini novos rumos, deixei de me preocupar com o amanhã, vivi intensamente o presente e sobrevivi quando julgava não conseguir fazê-lo.

Também me senti só,  inúmeras vezes, mas os sorrisos, as agradáveis surpresas, o reconhecimento pelo trabalho bem feito, o amor e a amizade que tantos me dedicaram, suplantaram todas as dores e contratempos.

E hoje, olhando ao meu redor, considero-me uma mulher realizada, feliz e com sorte, num país em que a maioria das pessoas não vive, vai sobrevivendo.









domingo, 14 de dezembro de 2014

BENFICAAAAAAAAAAA!!!!!




Mais uma vez a nossa Águia "coisou" o Dragão. 

Não foram eles que disseram que nos iam ganhar 3-1?

Levaram duas bem dadas.

sábado, 13 de dezembro de 2014

PASSE A PUBLICIDADE


Já que no "post" anterior falei de vaselina, não é só televisão que tenho visto mais,  ultimamente.

Também tenho ido mais às compras num supermercado perto de mim, ali para os lados do Lavradio, apesar de ser uma tarefa que abomino, por causa das longas esperas nas filas para o pagamento.

E foi numa dessas filas que me apercebi de que os portugueses devem andar cheios de "tusa".

Montes de produtos da Durex, em exposição junto às caixas, de todas as cores, de todos os sabores,  para todos os gostos. 

A curiosidade levou-me a ler todos os rótulos.

Os diabéticos podem ficar descansados e  fazer balões à vontade,  porque todos os produtos têm indicação de estarem isentos de açúcar. 

Vocês sabiam que os lubrificantes Durex têm o aviso:  "evitar o contacto com os olhos"?




"COMICHÃO" DE INQUÉRITO


Tenho visto alguma televisão, coisa que já não fazia há alguns anos.

Aquelas cenas da comissão de inquérito ao caso BES têm despertado a minha atenção,  porque parece que quem está a ser inquirido não são os primos, mas sim os deputados e os jornalistas, com o Dr. Negrão a fazer o papel de mestre de cerimónias.

Mas o risível da situação, é que nos intervalos dos debates da Comissão, as televisões têm transmitido a publicidade à nova vaselina Vasenol.

Será uma mensagem subliminar,  ao Povo português?

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

ORA ENTÃO VAMOS LÁ



Tem-me sido muito difícil arranjar tempo livre para conciliar o meu trabalho com  todas as coisas de que gosto, mas isso não quer dizer que tenha abandonado a minha actividade "bloguística". Disso podeis ficar descansados, porque já tinha prometido que,  se um dia fechasse o blog, avisava todos os amigos.

E como ainda  não avisei, ora vamos lá escrever para os amigos e inimigos.

Tenho recebido muitos pedidos para comentar a situação que o país atravessa. Vocês gostam de ver o circo pegar fogo.

Infelizmente não há nada de novo para comentar, que possa acrescentar algo à triste situação política e económica que os portugueses vivem neste momento.

Não fiquei nada surpreendida, porque em Paris toda a gente já comentava a vida flauteada do outro que pelos vistos tinha um ordenado e uma herança fêmeas, enquanto foi governante. Mas posso afirmar que fiquei  fodida  por saber que andaram a pastar cabritos em Paris, à custa dos impostos que pago em Portugal,  e que não são assim tão poucos.  

Ainda por cima temos assistido a cenas mirabolantes de missivas e de  justificações na praça pública (que também são violação de segredo de justiça),  de uma pessoa que, coitadinha,  entrou em contra-mão numa autoestrada  mas diz que os outros é que  vão a andar ao contrário.

É lamentável que alguns portugueses estejam a sofrer neste momento do "Síndrome de Estocolmo". Acordem! 

Agora vou ficar por cá uns tempos, com o meu investimento e de outros dois sócios, a contribuir para erguer Portugal e ajudar a dizer "basta!". Já me chamaram louca, por causa disso.

Não me vereis tão amiúde a passear os meus cães, junto aos meus domínios  no Barreiro Velho,  ou junto ao rio,  porque detesto encontros imediatos de 3.º grau e já vi que há um ET à solta,  ali para os lados da Biblioteca Municipal. Não estou a referir-me aos amigos, como calculam.  

Beijos e abraços para todos. 








sábado, 6 de dezembro de 2014

SE O COCAS DEIXAR


O 44



O "Prisioneiro 44"  irá sair antes do final do ano?

O livro. Estou a falar do livro.

Pensavam o quê?

domingo, 19 de outubro de 2014

AINDA ESTOU POR CÁ



Não, não abandonei o Blog.

Acontece que não tenho o dom da ubiquidade e não tenho tido tempo para vir até a este espaço, devido aos meus muitos  afazeres profissionais, já que iniciei um velho sonho de empreendedorismo, que me consome todos os momentos outrora disponíveis, porque eu detesto  falhar em tudo aquilo que me empenho.

Fechá-lo não está, por agora,  nos meus planos, até porque tenho muitos amigos dentro e fora de Portugal que comunicam comigo através dele, porque não têm os meus e-mails, ou perderam os meus  números de telefone e telemóvel.

Brevemente virei aqui  "postar" com a qualidade que todos merecem.

Não publico as centenas de comentários que recebi porque alguns já perderam oportunidade e outros são muito "indiscretos", que é como quem diz, não interessam à maioria dos que visitam este espaço.

Deixo algumas  das minhas rosas para cada um de vocês.

Beijokas e até breve! 

domingo, 24 de agosto de 2014

LINDAS E PERFUMADAS




Hoje tive excelentes  notícias.

As minhas roseiras que eu julgava perdidas no último dilúvio no Barreiro, foram recuperadas,  e brevemente vão começar a produzir aquelas rosas vermelhas lindas, perfumadas  e enormes, que todos os meus amigos acham que crescem só para mim, porque dizem que nunca viram igual em lado nenhum.

Agora é só cuidar delas e esperar que "sorriam" para o mundo.








sexta-feira, 15 de agosto de 2014

VALHA-LHES SÃO CRICALHO!


Estou que nem posso!

Hoje estive mais uma vez na Procissão de Nossa Senhora do Rosário, como venho fazendo desde há oito anos a esta parte.

E não é que tudo se passa sempre da mesma maneira?

As mesmas pessoas, os mesmos óculos escuros, a mesma irrelevância a todos os níveis, tirando o facto de o protagonista-mor de antigamente, já não fazer parte do mundo dos vivos.

Mudaram os cromos, mas a caderneta é a mesma.


quinta-feira, 24 de julho de 2014

COITADO DO "HOME"!




Calma que ainda não morri!

Pessoal, como ando a curtir o Verão, não tenho tempo para andar a telefonar ou  mandar e-mails para todos.

Aviso que está confirmada a janta do próximo sábado, no sítio que tínhamos combinado, no Barreiro.

Só espero não ter nenhum encontro imediato do terceiro grau, com o tal que agora anda esverdeado  atrás da velha gaiteira   testemunha de Jeova.

A sério que estou com pena do fulano que até postou uma foto do tempo da guerra, a mostrar os "guiços", na esperança de a Fatinha lhe dar alguma atenção. 

Mas está com azar, porque só lhe saem as outras velhas a fazer "likes".

Não tenho publicado  os vossos "comments",  porque alguns não se podem publicar. Vocês são demais!

Inté e até sábado.

Levem as violas para fazermos a festa e atirarmos foguetes, como sempre.

Kisses!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

PARECEM PUTOS DA ESCOLA!



Tenho andado muito aborrecida com o ambiente político cá do burgo.

Aqueles amigos que eu costumava convidar para almoçar e jantar,  andam agora todos de candeias  às avessas, por causa de tricas e intrigas  protagonizadas por duas pessoas do mesmo partido.

E que tenho eu a ver com isso?

Sabem que sou neutra no campo da amizade. Quando sou amiga, não ligo a partidos, religiões nem futebois.

- "Se convidares fulano, eu não vou", disseram-me.

Pá, deixem-se dessas merdas!

E ponham a mulherzinha no sítio, porque já demonstrou,  por diversas vezes,  que é uma bacoca inconsequente.

Beijokas!

Espero por vós no próximo dia 18,  mas aviso já que não vou permitir discussões sobre politiquices e  pessoas que não interessam nem ao Menino Jesus.


quarta-feira, 2 de julho de 2014

TU SABES QUE EU SEI QUE TU SABES QUE É DEDICADO A TI



Este ano o S. Pedro resolveu trocar as voltas a quem se preparava para grandes banhos de sol e mergulhos no mar, como eu.

Não tem havido sol mas tem havido mar e boa companhia, o que para mim é a mesma coisa.

E tenho-me divertido imenso por cá.

Vocês não calculam o prazer que tenho tido em presenciar  um cachorro rafeiro a correr atrás de uma empregada de mesa, que nem um osso lhe atira, porque está mais interessada no guitarrista da música ao vivo.

O cachorro que dantes só rosnava,  e dava paulitadas na gramática, agora anda armado em "poeta", a mandar beijos e indirectas do Manuel Alegre, a quem não lhe liga um cu.

O amor às vezes é mesmo fodido.

Oh lá se é!

Cachorro sofre.....










sexta-feira, 27 de junho de 2014

SEGURO VS COSTA



Quando será que os socialistas portugueses vão começar aos tiros, uns aos outros?

Acho que vai ser uma questão de tempo. Para já, só têm acertado nos próprios pés.

Este Partido Socialista virou um partido de ginastas e acrobatas contorcionistas, especialistas em "trampolim".

Fico parva por ter constatado que alguns, outrora convictos apoiantes de Seguro, viraram o bico ao prego e agora apoiam o Costa que por sua vez mandou um valente chuto na gaiola do Seguro que soltou o pássaro que há em si.

E querem eles ser a alternativa ao actual estado de coisas.

Não me convencem.

"Jamé!"







CHEGUEI!




Pronto, pronto, não é preciso mandarem-me mais e-mails, nem fazerem mais comentários no Blog. Eu não morri e já estou por cá há alguns dias, na ramboia, embora o tempo não esteja muito convidativo a férias.

Não publico os Vossos comentários porque alguns deles são um bocado "indiscretos" e fora de contexto.

Já soube que houve um "dilúvio" no Barreiro,  que deu cabo das minhas rosas todas,  e que o país continua debaixo de uma tremenda  irrelevância a todos os níveis.

Tirando isso e o facto de alguém me ter querido casar, à força,  com um socialista, tá-se bem.

Vou andar por aí a tirar a barriga de "misérias".

Chocos fritos, ou com tinta, pataniscas de bacalhau e carapauzinhos fritos com arroz de feijão ou de ervilhas, com salada mista temperada com bastante vinagre, sardinhas assadas, francesinhas, bolas de manteiga e caldeirada, me aguardem!

Beijokas!






sábado, 31 de maio de 2014

VIVA A VIDA!





Estou toda "moidinha", toda "partidinha", efeitos da vida "boémia" que tenho levado nos últimos dias em Lisboa.

Parece que levei um valente enxerto de porrada ou que fiz uma maratona de sexo com os velhotes todos da Santa Casa. Não pelo sexo em si mas pela trabalheira que devia ser, só para os "animar".

Fosga-se, deixa-me mas é estar calada, senão ainda começam as bocas foleiras e as indirectas, porque eu até sou uma mecinha muito bem comportada, nada dada a javardices.

Depois daquele concerto memorável dos Stones, acho que durante uns tempos não vou exigir nada da Vida.

Foi Divino e ainda estou no "ar".

Tive o grato prazer e o privilégio de ter reencontrado alguns amigos dos tempos de Faculdade e de outras paragens, que já não via há algum tempo, um deles há mais de quinze anos. E quando os velhos amigos se reencontram, parece que há um renascer dentro de nós.

Tenho tido a sorte de nunca lhes ter perdido o "rasto" e a felicidade de todos eles sentirem por mim o mesmo que sinto por eles. São pessoas com quem posso ter todo o tipo de conversa, desabafo e que fariam o impossível para me ajudar, em caso de necessidade. Posso considerar-me abençoada e muito feliz por esta reciprocidade.

Jamais conseguiria viver sem amigos, música e livros. Uma trilogia que é essencial à minha realização como ser humano.

Alternando entre Rock in Rio, docas e Feira do Livro, fui dando conta de que os portugueses são um povo à rasca. Grande parte das pessoas está triste e sem projecto de Vida.

Pergunto-me como é isso possível, se Portugal é um País com grandes potencialidades. A sua gente é boa, gentil, empreendedora, trabalhadora. Tem sol, boas praias, boas estradas, boa comida e boas oportunidades que pelos vistos só alguns têm açambarcado. Mas temos de pensar positivo porque não há mal que sempre dure e, um exemplo disso, são os chumbos do Tribunal Constitucional. Se os membros do governo tivessem um pingo de vergonha na puta da cara, já se tinham demitido um a um.

Gosto de Portugal. Angola e Portugal são as minhas Pátrias e penso que brevemente, ficarei por cá para sempre, até porque tenho um projecto, um velho sonho de empreendedorismo, que não vou revelar por enquanto, para não entrar "areia".

Entretanto já estou a preparar-me para ir e voltar para os Santos Populares.

Santo António em Lisboa, São João no Porto, Julho em Coimbra, para a Serenata Monumental dos Antigos Estudantes da Universidade de Coimbra e Agosto numa das belas praias alentejanas. Uma "agenda" muito "preenchida".

Se o meu Deus quiser, brindarei à Vida, pedindo-Lhe que todos os humanos sejam melhores pessoas e  tenham  sempre  o essencial  para desfrutar dela.












quarta-feira, 28 de maio de 2014

GOLPES PALACIANOS


O JANTAR


Já estava a imaginar que teria de instalar, em casa, um elevador de escadas "Egiro" e comprar um veículo da mesma marca, para poder deslocar-me nas redondezas mas, felizmente, o médico que consultei ontem, foi de opinião que nem imobilidade nem cirurgia ao pé, contrariamente ao que me tinha sido diagnosticado inicialmente.

Eu sabia!

A única coisa boa que tem o FCP, é o ortopedista.

Por isso, amanhã vou lá estar, no concerto, a ouvir o velho "bocas" e abanar o capacete, como se fosse o último dia da minha vida.

O meu Bizinho, ontem à noite, veio tocar-me à campainha, ainda não eram dez horas, queixando-se que já passava da meia-noite e eu tinha a música muito alta. Foi entrando, como quem não quer a coisa, "deitando o olho" de mansinho às minhas três convidadas.

- "Vizinha, por que é que as suas amigas têm todas um barrete e um pano da loiça na cabeça?", cuscou.

Fiquei surpreendida. Juro que nunca tinha olhado a coisa por esse prisma. As moçoilas são assistentes de bordo e estavam fardadas a preceito. Este meu "Bizinho" é o máximo.

- "Bizinho", não vê que é uma farda de uma companhia aérea?

Nem me respondeu. Foi andando em direcção à cozinha, onde se pôs a destapar os tachos e as panelas.

- "Vizinha, não tem nada que se trinque? Apetecia-me algo."

Mau mau, Maria. Isto traz água no bico, pensei eu.

- Mas o Bizinho veio para eu parar com a música, ou veio para jantar? Sirva-se do que quiser mas depois vamos à cave ver os livros que disse que me ajudava a catalogar.

Pensava que a ameaça ia surtir efeito, mas qual quê? Apranchou-se ao caldo verde e aos carapaus fritos com arroz de feijão, como se não houvesse amanhã. Lá pus outro prato na mesa e convidei-o para a janta.

Até que foi muito agradável e um serão bem passado, com o meu Bizinho e as minhas amigas. Ficou surpreendido por eu dizer que adorava pataniscas de bacalhau, peixinhos da horta com arroz de ervilhas e chocos com tinta. Fez-me prometer que ia aceitar o convite dele para almoçar no Joaquim dos Petiscos. Fiz-me de esquisita, mas aceitei logo antes que ele se arrependesse do convite e mudasse de ideias. É que eu adoro comer no Joaquim dos Petiscos.

Depois de uma noite muito animada, de cantorias e conversa até de madrugada, o meu Bizinho despediu-se agradecendo o jantar. Já passava da uma da manhã.

- "Vizinha, já reparou nas belas rosas que tem no seu jardim?", atirou, nada a propósito, à laia de despedida.

Eu sabia que o meu Bizinho é um coração de manteiga que não suporta despedidas.

- Bizinho, estou a pensar em fazer uma "tatuage" na nalga. Que pensa disso?, respondi-lhe eu.

- "Você é mesmo doida, Vizinha! Tem algum jeito tatuar uma rosa no rabo?".

O meu Bizinho é um "must"!

Adivinha-me os pensamentos.










sexta-feira, 23 de maio de 2014

FIM DE SEMANA "EUROPEU"



Se não tivesse marcado vôo  para Portugal, com antecedência, a esta hora estava fodida  pois teria de ficar em terra, apesar de querer, muito, ir votar nas Europeias e  ter uma consulta marcada, terça-feira, com o ortopedista da maior parte dos jogadores de futebol da Invicta  e não só, por causa da minha "patinha".

Parece que todos os caminhos mundiais vão dar a Lisboa e amanhã, por esta hora, já devo estar junto dos meus melhores Amigos portugueses, a tirar "selfies", como é da praxe. 

A final Real Madrid - Atlético de Madrid e o Rock in Rio,  este último com maior destaque, quanto a mim, para o concerto dos Rolling Stones, estão a colocar  Portugal no mapa e a originar uma boa entrada de divisas.

Mas não há bela sem senão. Acho que é nestas alturas que a ASAE deveria entrar em campo e ter mão pesada, porque segundo a imprensa e dois Amigos jornalistas madrilenos,  os preços pedidos  por  um simples quarto num hotel rasca, rondam o escabroso, o que não contribui em nada para uma boa imagem do Povo Portuga.

Autêntico oportunismo como aquele que me fez envergonhar, quando li num jornal francês os preços que os comerciantes portugueses faziam aos peregrinos, no 13 de Maio. Simplesmente bárbaro e escandaloso!

Como sou uma moçoila muito sensível a este tipo de coisas e apoiante do Real, vou ter a casa cheia de Amigos de três nacionalidades. Uns para a final e outros para o Rock in Rio, todos eles meus convidados. 

O que eles não sabem é que vamos ter de tirar montes de "selfies" e fazer corridas de cadeira de rodas.





 

quinta-feira, 22 de maio de 2014

CRITICAM, CRITICAM, MAS ......


É uma questão de ADN.

O Gene já nasceu connosco.

terça-feira, 20 de maio de 2014

"PALITO" IRREDUTÍVEL



Agora é que nunca mais o encontram.

UM EXEMPLO DE COMO O ROCK PODE SER "CLÁSSICO"

segunda-feira, 19 de maio de 2014

SERÁ CARRIÇO....


Ou "Carriça"?

Eis a questão.

A mim não interessa nada, mas que ficou mal, ficou.

Um Benfiquista jamais faria  aquela figura triste.

domingo, 18 de maio de 2014

NÃO PERCEBO ....


O que estará a passar-se com os portugueses.

Por onde andará o "espírito" que os levou ao 25 de Abril?

sábado, 17 de maio de 2014

PENSAMENTO DO DIA


FINALMENTE .....


PENSAMENTO DO DIA


SONHOS COR DE MERDA



Tenho andado em baixo de forma, 1.º porque o Benfica perdeu, e 2.º porque parti o mesmo pé, pela segunda vez em dois anos. Por esse motivo, tenho andado por aqui mais vezes, para passar o tempo.

Para evitar uma intervenção cirúrgica, vou ser forçada a uma imobilidade de pelo menos mais um mês, o que me está a dar cabo da cornadura porque, apesar de ser hiperactiva, vou ter de passar os dias de papo para o ar, sem fazer nenhum, com o pé ao alto.

Mas também quem é que me mandou andar de patins em linha, quando já devia ter idade para ter juízo?

Às vezes penso que em vez de estar a amadurecer, estou mas é a ficar senil.

Mas vamos ao que interessa.

Vou ter de engendrar uma maneira de não pagar a aposta que fiz com um Amigo que é Portista, de abrir uma conta no facebook se o Benfica perdesse a favor do Sevilha. Por causa disso até nem tenho dormido em condições. Acordo de noite com suores frios e tenho sonhos cor de merda. Que me desculpem os mais púdicos, mas o termo é mesmo esse: sonhos cor de merda.

Como é que uma gaija como eu, que tem auto-estima para dar e vender, Amigos verdadeiros a dar com um pau, vai fazer papel de solitária encalhada, carente, com "partilhas" e distribuições de "likes" e "smiles" pr'ó boneco?

Agora estou num dilema feroz entre a minha consciência e o princípio "Pacta Sunt Servanda".

Foda-se, eu não devia ter aceite aquela aposta.

Vou ter de negociar.



quarta-feira, 14 de maio de 2014

"Lá Longe", Almeida Santos




Fraco político mas grande cantor de Fado de Coimbra.

terça-feira, 13 de maio de 2014

PENSAMENTO DO DIA


segunda-feira, 12 de maio de 2014

domingo, 11 de maio de 2014

SERENATA MONUMENTAL DOS ANTIGOS ESTUDANTES DE COIMBRA


No próximo dia 12 de Julho, na Sé Velha.

Será a 3.ª Edição e estarão presentes os "Alma Mater" que tanto nos fizeram sonhar.

Malta, não faltem e levem a família.

"O MENINO DANÇA?"



Ou ainda está zangado comigo?

sábado, 10 de maio de 2014

EXPERIMENTE TAMBÉM



Experimentei e aconteceu.

Fui mandada a vários sítios.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

BENFICAAAAAAAAA!!!!!!!!!


Iupiiiiii!!!!!!

Alguém no Barreiro vai pagar-me um jantar.

PENSAMENTO DO DIA


MAIS UM ANO DE "VIDA"






Este mês completam-se oito anos sobre o  "nascimento" do Blog "Angolana".

Muitos textos coloquei aqui, uns com boa disposição, outros nem por isso, porque sempre fui uma  moçoila de extremos.

Tive a grata oportunidade de conhecer muitas pessoas através do "Angolana".  Umas pessoalmente e outras virtualmente, mas não menos importantes. 

Algumas delas  estiveram mais presentes na minha vida, durante estes oito anos, do que alguns amigos e conhecidos de longa data, ou familiares.

É certo que também tive alguns leitores cujos comentários foram impublicáveis,  mas quem tem um Blog "aberto" ao público,  sujeita-se a atitudes menos civilizadas.

Aproveito para pedir desculpa a todos os meus Amigos do Barreiro,  de quem não tive a oportunidade de me despedir. Esta minha saída "à francesa" deveu-se ao facto de não ter tido tempo para estar com todos e de ter conseguido um vôo antes da data prevista.

Dia 25 de Maio aí estarei outra vez, para votar nas Europeias, porque eu faço questão de exercer sempre o meu direito de cidadania.

Desejo-vos a continuação de bom feriado e a coragem suficiente para contestar e enfrentar todas as adversidades por que têm passado. Não vai ser nada  fácil na actual conjuntura.

Fico à espera dos Vossos e-mails.

Já não sei viver sem Vocês.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

AS MEMÓRIAS




São como pétalas que lançamos ao vento.

PENSAMENTO DO DIA


ESTE AINDA NÃO ESTÁ CONVENCIDO


Ó môre,  querias levar mais, era?

domingo, 27 de abril de 2014

"FALA-ME DE AMOR"




Ao serão de Sábado passado, fui completamente surpreendida por um desafio lançado por um daqueles Amigos meio filósofo, meio da onça, que acha que por eu ser demasiado profissional, demasiado racional e dedicada,  teria de ser forçosamente  desprendida e incapaz desse  sentimento profundo, a que os românticos chamam o verdadeiro “Amor”.

“Fala-me de amor e daquilo que entendes por alma gémea”,  pediu ele .

“Estás a esticar-te”, pensei  eu com os meus “botões”.

Socorri-me da mitologia, de Zeus, Cronos,  do “Banquete” de Platão, Aristófanes e da vingança de Gaia, para justificar essa coisa da “alma gémea”, cujo conceito filosófico emerge do nascimento dos andrógenos, essas insolentes criaturas que o grande Zeus deixou viver, divididos,  para torná-los mais humildes e fracos e assim diminuir o seu orgulho .

E porque o amor pertence à insuspeitada categoria das coisas imprevisíveis, de emoções paradoxais  que se enfrentam em sentimentos opostos, socorri-me de Dante e de Camões que  lidou com a incerteza  que nasce com o desejo pela pessoa amada.

“Isso é o que está nos livros”, voltou o meu Amigo à carga. “Eu quero é saber qual a tua perspectiva sobre o assunto”.

Foda-se, queres  mesmo saber como pode ser o amor contraditório?

“Isso mesmo!”.

Kaneko, quem ama obedece sem ser ordenado, cumpre sem ser requisitado, aceita sem ser forçado.

Tudo por culpa de um grupo de neurónios localizados em determinada parte do cérebro, que  começa a produzir dopamina que se espalha pela “mioleira” e nos dá aquela energia, possessividade, desejo, obsessão e motivação para ir ter com a tal pessoa que passa a ser alguém especial.

 Depois vêm as complicações. Ficamos em êxtase quando as coisas correm bem e desesperamos quando correm mal. Sentimos dependência emocional e física mas o que  queremos mesmo é a união emocional. E muitas vezes tem acontecido  aquilo a que se chama pensamento intrusivo,  porque  não conseguimos deixar de pensar naquela  pessoa. É como se tivesse  acampado na nossa cabeça.

O problema maior é que também podemos ter sentimentos de ligação a mais de uma pessoa e podemos ter desejos sexuais por várias, apesar de nos dizermos apaixonados só  por determinada pessoa.

Devido à natureza humana, podemos  ter  sentimentos de amor romântico por duas pessoas mas o que vai acontecer, a determinada altura,  é que acabaremos por nos virar apenas para uma   e quem disser  que está loucamente apaixonado por duas pessoas ao mesmo tempo, é certo e sabido que não está apaixonado por nenhuma delas.  

Não se consegue “saborear”  completamente dois amores  em simultâneo, porque não se trata apenas de união sexual, mas de algo mais profundo que a alma de um,  quer da alma do outro, como as  reminiscências, essas memórias tão sublimes quanto os instantes que as originaram.

Mas a realidade é que vivemos no planeta Terra, sujeitos às mudanças, aos humores e ao Deus do Tempo.  Somos finitos, enrugamos, envelhecemos, e a perfeição esvai –se com o tempo.

Contudo, isso não significa necessariamente o fim do Amor. Daí a necessidade de se ter maturidade suficiente  para  cultivar o Amor, não somente físico, mas sobretudo da Alma.


É certo que o Amor também acaba como começou.

Do nada.

Quando o Amor acaba, o melhor é seguir em frente e recomeçar .


Porque o Amor não mata.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

40 ANOS DEPOIS



Nunca acreditei no 25 de Abril, nunca acreditei que aquele golpe militar pudesse ser considerado uma verdadeira “revolução”, atendendo à sua génese, porque as revoluções nunca foram necessariamente coisas boas, nem perenes.

Este ano, e por força de juntar o útil ao agradável, tirei duas semanas de férias, mais para assistir ao jogo Benfica-Juventus, do que para cumprir a promessa de servir de “guia turística” a quatro amigos estrangeiros, doutorandos nas áreas das Ciências Sociais e Políticas, durante as comemorações em Lisboa, dos 40 anos do 25 de Abril.

Mas, como diz o velho ditado francês, “Noblesse Oblige!”.

E lá andámos pelo Largo do Carmo e ruas adjacentes, tentando sentir a emoção e o pulsar da multidão, quarenta anos depois.

A noite estava fria. Aqui e ali viam-se muitos jovens e alguns menos jovens, a beber cerveja em copos de plástico, longe do espumante e da euforia de 1974.

Viam-se rostos deprimidos, tristes, desolados, de gente que embalava o corpo e o sentir, ao som das músicas de chavão, que saía de um palco montado a preceito , conduzidas por um jovem maestro de quem gosto muito, onde não faltaram os figurantes vestidos de soldados, com cravos metidos nos canos das G3, numa encenação patética.

Os meus Amigos, entre eles, iam tomando notas, tirando fotografias, fazendo perguntas.

Quem estudou as Revoluções Francesa e Russa sabe muito bem como multidões ou massas como as que se viram, exultantes, no dia 25 de Abril de 1974, são facilmente manipuláveis, agindo ao sabor dos «ventos da História», como se fossem perfeitos cataventos.

Nos meses seguintes à “revolução”, e especialmente no Verão Quente de 1975, houve afinal o ressurgimento daquele Estado Novo que se julgava extinto para sempre. Surgiu uma nova censura, com o tal  prémio Nobel da literatura, militante comunista e impoluto acérrimo defensor das liberdades e garantias, a “correr” com os 24 do Diário de Notícias, jornal de que era, ao tempo, o director. Houve saneamentos políticos indiscriminados, prisões com mandados de detenção em branco, feitas pela malta do COPCON, que voltaram a encher a prisão de Caxias.

Queriam fazer de Portugal uma espécie de “Dasha” soviética, onde foram detidas pessoas, só porque tinham em casa armas de colecção do século XIX, que utilizavam, por cima das lareiras, como elementos de decoração. O “poder popular” tinha saído à rua e nas estradas faziam barreiras que revistavam os automóveis do povo, em busca não se sabe do quê, ao ponto de o meu Pai e o meu Avô sentirem fisicamente medo pela sorte da sua família.

Desde então, politizou-se tudo com os militares a cederem perante os políticos profissionais. De repente, as famílias e os amigos odeiam-se por militarem em partidos diferentes, e uma espécie de demência senil alastrou-se por Portugal inteiro, até aos dias de hoje.

A seguir veio a Europa e o desvio dos fundos europeus para os canais mais convenientes: o bolso de alguns políticos e negociantes, e a constatação de que o Povo não passa de números para quem tem nas mãos os destinos do País.


A verdade é que Portugal hoje está à deriva, sem projecto de futuro, sem grandeza que não seja a dos números da dívida.

Não sei que parte da História os meus Amigos irão utilizar nas suas teses.

Regressámos silenciosos ao Barreiro, de barco, já o sol raiava.

Não sem que antes tivessemos visto dezenas de sem-abrigo a dormir nas ruas.

O País real onde há 40 anos foi prometido um futuro, liberdade, igualdade, fraternidade, é hoje o país dos vampiros que comem tudo.

Portugal é hoje o “Reino da Quantidade”, porque as pessoas não passam de números e estatísticas.

Só o coração de Homens e Mulheres Bons, poderá reverter esse estado de coisas.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

AMANHÃ


Todos os caminhos vão dar ao Santuário da Luz.

Vou ser a primeira a entrar.

terça-feira, 22 de abril de 2014

QUANDO SERÁ ....


Que deixará de haver políticos cretinos?

segunda-feira, 21 de abril de 2014


NÃO VAI TARDAR MUITO ...


Que todos os agricultores portugueses fiquem completamente nas "lonas" e tenham de vender os seus apetrechos, para serem utilizados noutros fins.

domingo, 20 de abril de 2014

BENFICA CAMPEÃO NACIONAL PELA 33.ª VEZ


Agora é que o Pintainho vai tomar uma caixa inteira de "Xanax".

Chora, Chora , chora,  Pintainho chora,  que o Benfica é o Campeão agora.

"ETERNAL FLAME"



A  "chama" será eterna quando existe algo que está para além dos nossos sentidos e que nunca conseguimos banir das nossas memórias, por mais que tenhamos tentado.

É como um farol que me recorda o caminho que já trilhei, mas que não quero voltar a percorrer. 

Que ela nunca se apague!

sexta-feira, 18 de abril de 2014

PENSAMENTO DO DIA

IN MEMORIAM


« Descobri que a minha obsessão de que cada coisa estivesse no seu lugar, cada assunto no seu tempo, cada palavra no seu estilo, não era o prémio merecido de uma mente ordenada mas, pelo contrário, um sistema completo de simulação inventado por mim para ocultar a desordem da minha natureza. Descobri que não sou disciplinado por virtude, mas como reacção contra a minha negligência; que pareço generoso para encobrir a minha mesquinhez, que passo por prudente por ser pessimista, que sou conciliador para não sucumbir às minhas cóleras reprimidas, que só sou pontual para que ninguém saiba como pouco me importa o tempo alheio. Descobri, por fim, que o amor não é um estado de alma mas um signo do Zodíaco.»


(Memória das Minhas Putas Tristes - 1.ª Edição - Página 67)

Gabriel García Marquez

quinta-feira, 17 de abril de 2014

UMA VERDADEIRA INSPIRAÇÃO


Hoje precisei de ficar sozinha com os meus "botões".

Por vezes sinto essa necessidade de parar um pouco para viajar até ao ínfimo do meu Ser, para encontrar algumas respostas a questões que tenho por hábito colocar a mim própria e ao meu Deus.

A solidão é diferente do estar só.

Vive em solidão quem é contumaz em afastar de si todas as oportunidades e hipóteses de ser feliz.

O "estar só" é uma opção do momento, aquilo a que se poderá chamar um estado de alma necessário.

Sentada, junto ao rio, li de uma assentada o livro do Manuel Forjaz.

Não é um livro de auto ajuda, não é um carpir de mágoas, não é o relato de um "coitadinho".

É uma verdadeira inspiração.

É uma lição de Vida e de Esperança.


Obrigada Manuel Forjaz!


quarta-feira, 16 de abril de 2014

BENFICAAAAAAAAAA!!!!!


Esta noite o Pintainho vai ter de tomar um "xanax" e uma purga.

Foi muito milho para a carroça dele.

JUSTA REIVINDICAÇÃO


Sempre a aprender.

E eu a pensar que se escrevia "foda-se".

terça-feira, 15 de abril de 2014

"FACTURA DA SORTE"

segunda-feira, 14 de abril de 2014

A POLÍTICA E O OLHO DO CÚ



Pouco tempo depois de Deus ter criado o Homem, todos os órgãos do corpo recém-criado queriam ser o Chefe. E os argumentos que cada um deles apresentou para assumir a chefia, foram os mais diversos.

O cérebro dizia com a arrogância própria dos cérebros: "Eu penso por todos vocês. Eu sou a inteligência. Eu controlo tudo por meio das acções dos meus neurónios. Então, se alguém aqui tem que ser Chefe, esse alguém sou eu.".

"Nós é que devemos assumir a chefia, pois somos nós que transportamos todo o corpo aos mais diversos lugares. Ainda que o cérebro queira ir a algum lugar, se nós não quisermos levá-lo, então o corpo não irá a lado nenhum" , disseram as pernas, em coro, recusando o falacioso argumento da massa cinzenta.

E as mãos: "Isso é puro disparate. Nós executamos todo o trabalho e é com ele que ganhamos dinheiro para o corpo sobreviver. É com esse dinheiro que todo o resto do corpo se mantém. Temos de ser nós o Chefe.".

"Onde não há sangue não há vida. Quem manda o sangue a todas as partes do corpo sou eu. Portanto, devo ser eu o escolhido". Foi o que o coração disse, tentando dominar a emoção do momento.

A certa altura ninguém se entendia, pois todos falavam ao mesmo tempo. Até a própria boca. Os pulmões ficaram ofegantes. Os olhos, irritados. O fígado e os rins protestavam e até os intestinos se manifestaram provocando um grande mal-estar geral.

De repente, fez-se um inexplicável silêncio e ouviu-se uma voz grave e solene:

- Quem vai ser o Chefe sou eu.

Quem assim falava, era o Cú.

Deram todos uma sonora gargalhada. Afinal de contas, ele nunca tinha sido levado a sério. Nunca fizera nada por merecer qualquer atenção, a não ser alguns ruídos ininteligíveis e fedorentos. E sobretudo merda, muita merda.

Mas o Cú insistiu:

-Quem vai ser o chefe sou eu. Querem ver?

E mais não disse, nem fez. Fechou-se em copas. Enfim, deixou de funcionar.

Em poucos dias, o cérebro já não conseguia raciocinar. Os olhos ficaram baços. As pernas não se punham de pé e as mãos pendiam flácidas dos braços enfraquecidos. Os batimentos do coração ficaram imperceptíveis, de tão fracos. Os pulmões estavam nas últimas. Todos sobreviviam com dificuldade. O corpo estava à beira da morte.

Sem alternativa, todos os órgãos concordaram em reunir-se em Conselho e todos votaram para que o Cú fosse designado, aclamado e aceite por todos, como "Chefe".


A partir daí, as coisas começaram a normalizar.

Cada uma das partes do corpo fazia o seu trabalho enquanto o Olho do Cú tudo observava, organizava e dirigia.

Mas, principalmente, fazia o que dele se esperava: merda , muita merda.

A partir daí, soube-se que não é necessário ser um cérebro nem ter uma grande inteligência para ser "o Chefe”.

Um simples olho do Cú, que passa todo o tempo a fazer merda, pode muito bem ser “o Chefe”.


AS "COISAS" QUE ME MANDAM


Hoje enviaram-me este candimba, com um convite para fazer parte de um grupo constituído no facebook.

Pessoal, a sério, estou mesmo solidária com vocês, mas já sabem que nunca fui apologista do facebook nem de nenhuma outra rede social.

Não é por nada, mas as redes sociais são como clubes de "encalhados", com tanta gente de "braços no ar" e em "bicos dos pés".

Já sei que me vão dar no "toutiço", mas volto a recordar-vos que pelo facebook "morre o peixe".