segunda-feira, 28 de abril de 2014

AS MEMÓRIAS




São como pétalas que lançamos ao vento.

PENSAMENTO DO DIA


ESTE AINDA NÃO ESTÁ CONVENCIDO


Ó môre,  querias levar mais, era?

domingo, 27 de abril de 2014

"FALA-ME DE AMOR"




Ao serão de Sábado passado, fui completamente surpreendida por um desafio lançado por um daqueles Amigos meio filósofo, meio da onça, que acha que por eu ser demasiado profissional, demasiado racional e dedicada,  teria de ser forçosamente  desprendida e incapaz desse  sentimento profundo, a que os românticos chamam o verdadeiro “Amor”.

“Fala-me de amor e daquilo que entendes por alma gémea”,  pediu ele .

“Estás a esticar-te”, pensei  eu com os meus “botões”.

Socorri-me da mitologia, de Zeus, Cronos,  do “Banquete” de Platão, Aristófanes e da vingança de Gaia, para justificar essa coisa da “alma gémea”, cujo conceito filosófico emerge do nascimento dos andrógenos, essas insolentes criaturas que o grande Zeus deixou viver, divididos,  para torná-los mais humildes e fracos e assim diminuir o seu orgulho .

E porque o amor pertence à insuspeitada categoria das coisas imprevisíveis, de emoções paradoxais  que se enfrentam em sentimentos opostos, socorri-me de Dante e de Camões que  lidou com a incerteza  que nasce com o desejo pela pessoa amada.

“Isso é o que está nos livros”, voltou o meu Amigo à carga. “Eu quero é saber qual a tua perspectiva sobre o assunto”.

Foda-se, queres  mesmo saber como pode ser o amor contraditório?

“Isso mesmo!”.

Kaneko, quem ama obedece sem ser ordenado, cumpre sem ser requisitado, aceita sem ser forçado.

Tudo por culpa de um grupo de neurónios localizados em determinada parte do cérebro, que  começa a produzir dopamina que se espalha pela “mioleira” e nos dá aquela energia, possessividade, desejo, obsessão e motivação para ir ter com a tal pessoa que passa a ser alguém especial.

 Depois vêm as complicações. Ficamos em êxtase quando as coisas correm bem e desesperamos quando correm mal. Sentimos dependência emocional e física mas o que  queremos mesmo é a união emocional. E muitas vezes tem acontecido  aquilo a que se chama pensamento intrusivo,  porque  não conseguimos deixar de pensar naquela  pessoa. É como se tivesse  acampado na nossa cabeça.

O problema maior é que também podemos ter sentimentos de ligação a mais de uma pessoa e podemos ter desejos sexuais por várias, apesar de nos dizermos apaixonados só  por determinada pessoa.

Devido à natureza humana, podemos  ter  sentimentos de amor romântico por duas pessoas mas o que vai acontecer, a determinada altura,  é que acabaremos por nos virar apenas para uma   e quem disser  que está loucamente apaixonado por duas pessoas ao mesmo tempo, é certo e sabido que não está apaixonado por nenhuma delas.  

Não se consegue “saborear”  completamente dois amores  em simultâneo, porque não se trata apenas de união sexual, mas de algo mais profundo que a alma de um,  quer da alma do outro, como as  reminiscências, essas memórias tão sublimes quanto os instantes que as originaram.

Mas a realidade é que vivemos no planeta Terra, sujeitos às mudanças, aos humores e ao Deus do Tempo.  Somos finitos, enrugamos, envelhecemos, e a perfeição esvai –se com o tempo.

Contudo, isso não significa necessariamente o fim do Amor. Daí a necessidade de se ter maturidade suficiente  para  cultivar o Amor, não somente físico, mas sobretudo da Alma.


É certo que o Amor também acaba como começou.

Do nada.

Quando o Amor acaba, o melhor é seguir em frente e recomeçar .


Porque o Amor não mata.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

40 ANOS DEPOIS



Nunca acreditei no 25 de Abril, nunca acreditei que aquele golpe militar pudesse ser considerado uma verdadeira “revolução”, atendendo à sua génese, porque as revoluções nunca foram necessariamente coisas boas, nem perenes.

Este ano, e por força de juntar o útil ao agradável, tirei duas semanas de férias, mais para assistir ao jogo Benfica-Juventus, do que para cumprir a promessa de servir de “guia turística” a quatro amigos estrangeiros, doutorandos nas áreas das Ciências Sociais e Políticas, durante as comemorações em Lisboa, dos 40 anos do 25 de Abril.

Mas, como diz o velho ditado francês, “Noblesse Oblige!”.

E lá andámos pelo Largo do Carmo e ruas adjacentes, tentando sentir a emoção e o pulsar da multidão, quarenta anos depois.

A noite estava fria. Aqui e ali viam-se muitos jovens e alguns menos jovens, a beber cerveja em copos de plástico, longe do espumante e da euforia de 1974.

Viam-se rostos deprimidos, tristes, desolados, de gente que embalava o corpo e o sentir, ao som das músicas de chavão, que saía de um palco montado a preceito , conduzidas por um jovem maestro de quem gosto muito, onde não faltaram os figurantes vestidos de soldados, com cravos metidos nos canos das G3, numa encenação patética.

Os meus Amigos, entre eles, iam tomando notas, tirando fotografias, fazendo perguntas.

Quem estudou as Revoluções Francesa e Russa sabe muito bem como multidões ou massas como as que se viram, exultantes, no dia 25 de Abril de 1974, são facilmente manipuláveis, agindo ao sabor dos «ventos da História», como se fossem perfeitos cataventos.

Nos meses seguintes à “revolução”, e especialmente no Verão Quente de 1975, houve afinal o ressurgimento daquele Estado Novo que se julgava extinto para sempre. Surgiu uma nova censura, com o tal  prémio Nobel da literatura, militante comunista e impoluto acérrimo defensor das liberdades e garantias, a “correr” com os 24 do Diário de Notícias, jornal de que era, ao tempo, o director. Houve saneamentos políticos indiscriminados, prisões com mandados de detenção em branco, feitas pela malta do COPCON, que voltaram a encher a prisão de Caxias.

Queriam fazer de Portugal uma espécie de “Dasha” soviética, onde foram detidas pessoas, só porque tinham em casa armas de colecção do século XIX, que utilizavam, por cima das lareiras, como elementos de decoração. O “poder popular” tinha saído à rua e nas estradas faziam barreiras que revistavam os automóveis do povo, em busca não se sabe do quê, ao ponto de o meu Pai e o meu Avô sentirem fisicamente medo pela sorte da sua família.

Desde então, politizou-se tudo com os militares a cederem perante os políticos profissionais. De repente, as famílias e os amigos odeiam-se por militarem em partidos diferentes, e uma espécie de demência senil alastrou-se por Portugal inteiro, até aos dias de hoje.

A seguir veio a Europa e o desvio dos fundos europeus para os canais mais convenientes: o bolso de alguns políticos e negociantes, e a constatação de que o Povo não passa de números para quem tem nas mãos os destinos do País.


A verdade é que Portugal hoje está à deriva, sem projecto de futuro, sem grandeza que não seja a dos números da dívida.

Não sei que parte da História os meus Amigos irão utilizar nas suas teses.

Regressámos silenciosos ao Barreiro, de barco, já o sol raiava.

Não sem que antes tivessemos visto dezenas de sem-abrigo a dormir nas ruas.

O País real onde há 40 anos foi prometido um futuro, liberdade, igualdade, fraternidade, é hoje o país dos vampiros que comem tudo.

Portugal é hoje o “Reino da Quantidade”, porque as pessoas não passam de números e estatísticas.

Só o coração de Homens e Mulheres Bons, poderá reverter esse estado de coisas.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

AMANHÃ


Todos os caminhos vão dar ao Santuário da Luz.

Vou ser a primeira a entrar.

terça-feira, 22 de abril de 2014

QUANDO SERÁ ....


Que deixará de haver políticos cretinos?

segunda-feira, 21 de abril de 2014


NÃO VAI TARDAR MUITO ...


Que todos os agricultores portugueses fiquem completamente nas "lonas" e tenham de vender os seus apetrechos, para serem utilizados noutros fins.

domingo, 20 de abril de 2014

BENFICA CAMPEÃO NACIONAL PELA 33.ª VEZ


Agora é que o Pintainho vai tomar uma caixa inteira de "Xanax".

Chora, Chora , chora,  Pintainho chora,  que o Benfica é o Campeão agora.

"ETERNAL FLAME"



A  "chama" será eterna quando existe algo que está para além dos nossos sentidos e que nunca conseguimos banir das nossas memórias, por mais que tenhamos tentado.

É como um farol que me recorda o caminho que já trilhei, mas que não quero voltar a percorrer. 

Que ela nunca se apague!

sexta-feira, 18 de abril de 2014

PENSAMENTO DO DIA

IN MEMORIAM


« Descobri que a minha obsessão de que cada coisa estivesse no seu lugar, cada assunto no seu tempo, cada palavra no seu estilo, não era o prémio merecido de uma mente ordenada mas, pelo contrário, um sistema completo de simulação inventado por mim para ocultar a desordem da minha natureza. Descobri que não sou disciplinado por virtude, mas como reacção contra a minha negligência; que pareço generoso para encobrir a minha mesquinhez, que passo por prudente por ser pessimista, que sou conciliador para não sucumbir às minhas cóleras reprimidas, que só sou pontual para que ninguém saiba como pouco me importa o tempo alheio. Descobri, por fim, que o amor não é um estado de alma mas um signo do Zodíaco.»


(Memória das Minhas Putas Tristes - 1.ª Edição - Página 67)

Gabriel García Marquez

quinta-feira, 17 de abril de 2014

UMA VERDADEIRA INSPIRAÇÃO


Hoje precisei de ficar sozinha com os meus "botões".

Por vezes sinto essa necessidade de parar um pouco para viajar até ao ínfimo do meu Ser, para encontrar algumas respostas a questões que tenho por hábito colocar a mim própria e ao meu Deus.

A solidão é diferente do estar só.

Vive em solidão quem é contumaz em afastar de si todas as oportunidades e hipóteses de ser feliz.

O "estar só" é uma opção do momento, aquilo a que se poderá chamar um estado de alma necessário.

Sentada, junto ao rio, li de uma assentada o livro do Manuel Forjaz.

Não é um livro de auto ajuda, não é um carpir de mágoas, não é o relato de um "coitadinho".

É uma verdadeira inspiração.

É uma lição de Vida e de Esperança.


Obrigada Manuel Forjaz!


quarta-feira, 16 de abril de 2014

BENFICAAAAAAAAAA!!!!!


Esta noite o Pintainho vai ter de tomar um "xanax" e uma purga.

Foi muito milho para a carroça dele.

JUSTA REIVINDICAÇÃO


Sempre a aprender.

E eu a pensar que se escrevia "foda-se".

terça-feira, 15 de abril de 2014

"FACTURA DA SORTE"

segunda-feira, 14 de abril de 2014

A POLÍTICA E O OLHO DO CÚ



Pouco tempo depois de Deus ter criado o Homem, todos os órgãos do corpo recém-criado queriam ser o Chefe. E os argumentos que cada um deles apresentou para assumir a chefia, foram os mais diversos.

O cérebro dizia com a arrogância própria dos cérebros: "Eu penso por todos vocês. Eu sou a inteligência. Eu controlo tudo por meio das acções dos meus neurónios. Então, se alguém aqui tem que ser Chefe, esse alguém sou eu.".

"Nós é que devemos assumir a chefia, pois somos nós que transportamos todo o corpo aos mais diversos lugares. Ainda que o cérebro queira ir a algum lugar, se nós não quisermos levá-lo, então o corpo não irá a lado nenhum" , disseram as pernas, em coro, recusando o falacioso argumento da massa cinzenta.

E as mãos: "Isso é puro disparate. Nós executamos todo o trabalho e é com ele que ganhamos dinheiro para o corpo sobreviver. É com esse dinheiro que todo o resto do corpo se mantém. Temos de ser nós o Chefe.".

"Onde não há sangue não há vida. Quem manda o sangue a todas as partes do corpo sou eu. Portanto, devo ser eu o escolhido". Foi o que o coração disse, tentando dominar a emoção do momento.

A certa altura ninguém se entendia, pois todos falavam ao mesmo tempo. Até a própria boca. Os pulmões ficaram ofegantes. Os olhos, irritados. O fígado e os rins protestavam e até os intestinos se manifestaram provocando um grande mal-estar geral.

De repente, fez-se um inexplicável silêncio e ouviu-se uma voz grave e solene:

- Quem vai ser o Chefe sou eu.

Quem assim falava, era o Cú.

Deram todos uma sonora gargalhada. Afinal de contas, ele nunca tinha sido levado a sério. Nunca fizera nada por merecer qualquer atenção, a não ser alguns ruídos ininteligíveis e fedorentos. E sobretudo merda, muita merda.

Mas o Cú insistiu:

-Quem vai ser o chefe sou eu. Querem ver?

E mais não disse, nem fez. Fechou-se em copas. Enfim, deixou de funcionar.

Em poucos dias, o cérebro já não conseguia raciocinar. Os olhos ficaram baços. As pernas não se punham de pé e as mãos pendiam flácidas dos braços enfraquecidos. Os batimentos do coração ficaram imperceptíveis, de tão fracos. Os pulmões estavam nas últimas. Todos sobreviviam com dificuldade. O corpo estava à beira da morte.

Sem alternativa, todos os órgãos concordaram em reunir-se em Conselho e todos votaram para que o Cú fosse designado, aclamado e aceite por todos, como "Chefe".


A partir daí, as coisas começaram a normalizar.

Cada uma das partes do corpo fazia o seu trabalho enquanto o Olho do Cú tudo observava, organizava e dirigia.

Mas, principalmente, fazia o que dele se esperava: merda , muita merda.

A partir daí, soube-se que não é necessário ser um cérebro nem ter uma grande inteligência para ser "o Chefe”.

Um simples olho do Cú, que passa todo o tempo a fazer merda, pode muito bem ser “o Chefe”.


AS "COISAS" QUE ME MANDAM


Hoje enviaram-me este candimba, com um convite para fazer parte de um grupo constituído no facebook.

Pessoal, a sério, estou mesmo solidária com vocês, mas já sabem que nunca fui apologista do facebook nem de nenhuma outra rede social.

Não é por nada, mas as redes sociais são como clubes de "encalhados", com tanta gente de "braços no ar" e em "bicos dos pés".

Já sei que me vão dar no "toutiço", mas volto a recordar-vos que pelo facebook "morre o peixe".



sábado, 12 de abril de 2014

ESPERANÇA

"O QUE NÃO NOS MATA, TORNA-NOS MAIS FORTES"



Pessoal, "I'm home!".

Duas semanas inteirinhas para matar saudades e rever os Amigos.

Vejo todos muito tristes e deprimidos.

Sigam o lema da música e toca a animar e a mexer esses rabos.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

NOTRE "SECRET"


O nosso segredo consiste em vivermos cada momento a dois, como se fosse único.

É escaparmo-nos depois de um dia de trabalho para aquele hotel à beira mar, onde brindamos a dois.

O nosso segredo é gostarmos ambos de ver o sol mergulhar no mar ao final da tarde.

O nosso segredo é sermos tudo um para o outro.

O nosso segredo é tu ligares-me da cozinha para o quarto, só para me dizer "Je pense à toi".

O nosso segredo somos nós.

"Comme d'habitude".

sexta-feira, 4 de abril de 2014

CONTRA SENSOS


Quando era ainda muito criança e andava na primária, costumava ouvir contar muitas histórias de comunistas que comiam criancinhas ao pequeno almoço.

Hoje constato que há um Governo em Portugal, que, em vez de comer criancinhas ao pequeno almoço, prefere comer-lhes o pequeno almoço, o almoço, o lanche e o jantar, permitindo que muitas estejam a passar fome e miséria, juntamente com as suas famílias.

Depois ainda têm a distinta lata e o cinismo de andar a dizer que: "O Melhor do Mundo são as Crianças".