sábado, 31 de maio de 2014

VIVA A VIDA!





Estou toda "moidinha", toda "partidinha", efeitos da vida "boémia" que tenho levado nos últimos dias em Lisboa.

Parece que levei um valente enxerto de porrada ou que fiz uma maratona de sexo com os velhotes todos da Santa Casa. Não pelo sexo em si mas pela trabalheira que devia ser, só para os "animar".

Fosga-se, deixa-me mas é estar calada, senão ainda começam as bocas foleiras e as indirectas, porque eu até sou uma mecinha muito bem comportada, nada dada a javardices.

Depois daquele concerto memorável dos Stones, acho que durante uns tempos não vou exigir nada da Vida.

Foi Divino e ainda estou no "ar".

Tive o grato prazer e o privilégio de ter reencontrado alguns amigos dos tempos de Faculdade e de outras paragens, que já não via há algum tempo, um deles há mais de quinze anos. E quando os velhos amigos se reencontram, parece que há um renascer dentro de nós.

Tenho tido a sorte de nunca lhes ter perdido o "rasto" e a felicidade de todos eles sentirem por mim o mesmo que sinto por eles. São pessoas com quem posso ter todo o tipo de conversa, desabafo e que fariam o impossível para me ajudar, em caso de necessidade. Posso considerar-me abençoada e muito feliz por esta reciprocidade.

Jamais conseguiria viver sem amigos, música e livros. Uma trilogia que é essencial à minha realização como ser humano.

Alternando entre Rock in Rio, docas e Feira do Livro, fui dando conta de que os portugueses são um povo à rasca. Grande parte das pessoas está triste e sem projecto de Vida.

Pergunto-me como é isso possível, se Portugal é um País com grandes potencialidades. A sua gente é boa, gentil, empreendedora, trabalhadora. Tem sol, boas praias, boas estradas, boa comida e boas oportunidades que pelos vistos só alguns têm açambarcado. Mas temos de pensar positivo porque não há mal que sempre dure e, um exemplo disso, são os chumbos do Tribunal Constitucional. Se os membros do governo tivessem um pingo de vergonha na puta da cara, já se tinham demitido um a um.

Gosto de Portugal. Angola e Portugal são as minhas Pátrias e penso que brevemente, ficarei por cá para sempre, até porque tenho um projecto, um velho sonho de empreendedorismo, que não vou revelar por enquanto, para não entrar "areia".

Entretanto já estou a preparar-me para ir e voltar para os Santos Populares.

Santo António em Lisboa, São João no Porto, Julho em Coimbra, para a Serenata Monumental dos Antigos Estudantes da Universidade de Coimbra e Agosto numa das belas praias alentejanas. Uma "agenda" muito "preenchida".

Se o meu Deus quiser, brindarei à Vida, pedindo-Lhe que todos os humanos sejam melhores pessoas e  tenham  sempre  o essencial  para desfrutar dela.












Sem comentários: